Sustentabilidade

Home

Desafio Energético

Lâmpadas Mais Eficientes

Desde 1980, quando inventamos a lâmpada fluorescente que economiza energia, temos trabalhado muito para fazer melhorias e desenvolver novas soluções.

A nossa nova geração de bulbos desse tipo proporciona uma economia de 80% da energia consumida, o que corresponde a 34 quilos de Co2 por lâmpada a cada ano.

Muitas opções estão disponíveis hoje em dia, e mais novidades estão por vir. O grande destaque é o led, tecnicamente um diodo semicondutor emissor de luz - aquelas pequenas lâmpadas que indicam que o seu dvd ou televisor está ligado -, que está na linha de frente de uma grande revolução na indústria da iluminação. Segundo a previsão de alguns economistas, os leds terão o mesmo efeito transformador nas sociedades que o telefone celular. Isso acontece porque a eficácia dos leds já é maior do que a das lâmpadas halógenas e das de tungstênio. Em pouco tempo, devem superar, também, a performance das lâmpadas fluorescentes.

Lançada em 2005 e desenvolvida pela Philips no Brasil, a linha de lâmpadas e reatores Philips Eco MASTER recebeu, em novembro de 2006, o selo Green Flagship (hoje em dia, Green Products), conferido pela matriz da Companhia na Holanda. Um produto Philips é caracterizado como Green Product quando obtém melhores performances e índices ambientais em relação à sua geração anterior ou à concorrência.

As lâmpadas fluorescentes tubulares Philips Eco MASTER utilizam combinações de materiais nobres que proporcionam melhor eficiência luminosa e maior vida útil. A linha também é considerada ambientalmente responsável porque não utiliza solventes para sua cobertura de pó fluorescente, possui a menor quantidade de mercúrio do mercado, com a exclusiva tecnologia de cápsula – que só é rompida com a partida inicial da lâmpada – e não utiliza chumbo no vidro.

O posicionamento da lâmpada está em linha com a política ambiental da empresa de desenvolver produtos que economizam energia e causam menor impacto ao meio ambiente. No Brasil, apesar de a matriz energética ser predominantemente baseada em hidrelétricas, a construção de novas usinas tem impacto ambiental e social considerável, devido às áreas alagadas e ao deslocamento populacional que provoca. A economia de energia contribui para diminuir a necessidade de novas usinas, além de ajudar na redução das emissões de CO2, principal gás causador do efeito estufa, nos casos de geração por meio de termelétricas.

Uso de Lâmpadas mais Eficientes

Alternativas para a economia de energia: Incentivando o uso de lâmpadas mais eficientes

Fluorescentes compactas
Em 1980, quando a Philips inventou as lâmpadas fluorescentes compactas e econômicas, perceberam que elas funcionavam, mas eram grandes e nada atraentes. Desde então, grandes melhorias foram alcançadas em eficiência energética, mudando a qualidade da velocidade e da luz. Hoje, a nova geração de lâmpadas fluorescentes compactas de alta qualidade é composta de modelos menores, mais baratos, que oferecem melhor luminosidade.

Lâmpadas halógenas compactas
As novas lâmpadas da Philips, halógenas para o lar – chamadas Edore – oferecem boa iluminação e usam 50% menos energia que uma lâmpada caseira comum. Disponível a partir da segunda metade de 2007, a Edore é uma lâmpada halógena remodelada que pode ser usada num soquete normal.

Tecnologia LED
Fonte luminosa produzida à base de compostos orgânicos, um led típico funciona por mais de 11 anos, se usado por até 12 horas por dia. Mesmo com um custo de aquisição mais elevado do que qualquer tecnologia que tenha recentemente alcançado o mercado, o uso de leds faz a conta de luz ficar mais barata e, com produção em escala, o valor tende a cair ainda mais. usados, hoje em dia, especialmente em lugares em que as lâmpadas compactas fluorescentes não servem, os leds são a grande promessa do futuro no que diz respeito à iluminação em geral.

As novas soluções LED (diodo emissor de luz) podem alterar a decoração das casas ao oferecer uma gama de cores abrangente. Essa tecnologia de iluminação promete ainda mais economia de energia no futuro. O ponto negativo – e até agora existe apenas um – é que, enquanto LEDs utilizam menos energia, ainda não oferecem luz suficiente, se comparada às lâmpadas incandescentes. Os progressos tecnológicos, no entanto, continuam. As novas LEDs “verdes”, que geram 100 lumens por watt, demonstram claramente que essa tecnologia proporciona força e benefícios ecológicos que um dia serão padrão. A Philips também está trabalhando em prol de um ambiente inteligente em iluminação LED, com níveis ajustados de acordo com a luz natural disponível e até mesmo com a localização das pessoas em um cômodo, reduzindo significativamente o uso de energia. A empresa está pesquisando novas tecnologias LED orgânicas (OLED) para aplicações em projetos de iluminação em geral, com tempo de vida mais longo e alta eficiência energética.

Conheça mais no site: http://www.luz.philips.com/portalHome.do


Uma solução de iluminação eficiente já está disponível para
cada segmento de mercado:



 
Ponte iluminada


Ponte Iluminada

Estamos presentes na iluminação de um dos mais novos cartões-postais de São Paulo, no Brasil. Inaugurada em maio de 2008, a ponte estaiada Octávio Frias de Oliveira é um complexo com 2.887 metros de comprimento que liga a Marginal Pinheiros à Avenida Jornalista Roberto Marinho, no bairro do Brooklin. A iluminação, fruto da mais alta tecnologia, realça as linhas modernas da ponte. Mas não é só isso. Além de beleza, o projeto de iluminação também traz economia para a cidade, já que, comparado aos sistemas convencionais de energia elétrica, gera economia de 53%.

A iluminação da parte interna da torre de 138 metros que sustenta toda a estrutura é colorida e usa 142 projetores colorblast, equipados com LEDs nas cores vermelha, verde, azul, entre outras. Um dos maiores atrativos do projeto é o fato de que a variação das cores não é fixa. Ela pode ser programada, de acordo com a ocasião. No dia 7 de setembro, por exemplo, data da independência do Brasil, a ponte poderá ser iluminada nas cores verde e amarelo. Além disso, o sistema também permite a programação do intervalo de tempo entre as variações. Já na parte externa, a luz branca que reflete sobre os 144 estais (cabos de sustentação da ponte) é resultado de 20 projetores do tipo arena vision, mecanismo que ilumina grandes estádios mundiais – como os das três últimas Copas do Mundo – e a Torre Eiffel, em Paris.